Procure uma crítica

3.3.14

Oscar 2014: Os Vencedores

Na última noite de domingo a premiação mais importante do cinema aconteceu. O Oscar deste ano foi o mais justo em muito tempo. Nas principais categorias, foi quase unânime a vontade da Academia em expor realmente os melhores desempenhos. Apesar de uma escorregada ou outra, todos os vencedores tinham seus méritos e as estatuetas não foram dadas para filmes cujo favoritismo estava imposto. Claro exemplo disso é Trapaça ter saído sem nada em uma noite aonde todos há um mês tinham a certeza que o filme de David O. Russel seria o grande vencedor. A única grande ressalva da noite ficou pelo esquecimento de O Lobo de Wall Street, cujo trabalho de Martin Scorsese merecia ter saído com pelo menos uma estatueta na noite. Abaixo estão meus rápidos comentários nas principais categorias da premiação:


Melhor Filme: 12 Anos de Escravidão

Muitos torciam por Gravidade, Trapaça e Ela, entretanto, pareciam fazer vista grossa para a importância do filme de Steve McQueen. É mais do que justo que a Academia dê a premiação para um longa com uma abordagem tão crua e realista de um dos acontecimentos mais terríveis da história da humanidade. A direção do inglês contribuiu maravilhosamente para que 12 Anos de Escravidão ganhasse o prêmio da noite. Mas se Gravidade tivesse ganhado, teria achado justo, afinal, é impossível não se encantar com o filme de Alfonso Cuarón.


Melhor Direção: Alfonso Cuarón

A força da direção do mexicano em Gravidade é assombrosa. Sua técnica é capaz de seduzir o espectador durante a projeção. Isso, claro, sem deixar a história de lado, a direção fantástica de atores e uma edição incrivelmente assertiva. Prêmio mais do que justo.


Melhor Ator: Matthew McConaughey

O grande público torcia para Leonardo DiCaprio levar sua primeira estatueta e de fato, ele está merecendo há muito tempo. E seria justíssimo que o prêmio fosse dado a ele. Entretanto, 2013 foi o ano de McConaughey. O Oscar não leva apenas em consideração o seu trabalho em Clube de Compra Dallas e sim o seu desempenho espetacular durante o filme indicado, O Lobo de Wall Street e Obsessão. Alias qualquer um que tivesse vencido dos cinco teria sido totalmente aceitável.


Melhor Atriz: Cate Blanchett

Maravilhosa atriz australiana, uma das melhores do cinema atual, já estava na mira do Oscar há tempos. Em resumo, é a nova Meryl Streep da nossa geração e apesar das quatro outras indicadas, incluindo a própria Meryl, serem absolutamente brilhantes como atrizes e em seus respectivos papéis indicados, Blanchett faz um trabalho arrasador em Blue Jasmine, sendo praticamente impossível ser ignorada. Merecidíssimo!


Melhor ator coadjuvante: Jared Leto

Todos os indicados mereciam o prêmio, entretanto, Jared Leto era o menos merecedor deste Oscar. A boa caracterização junto de seu assustador emagrecimento, colaborou fundamentalmente para ter recebido a estatueta. É uma característica quase certeira para uma premiação da Academia, mas eu teria dado o prêmio a Barkhad Abi. É impossível não se chocar com o trabalho deste ator somali em Capitão Phillips. São poucas as vezes que você realmente acredita na maldade do vilão em um filme e ele assusta o espectador pela gritante verossimilhança.


Melhor Atriz Coadjuvante: Lupita Nyong'o

Novamente todas mereciam. Mas Lupita fez um trabalho tão incrível e carismático em 12 Anos de Escravidão, que o público se sente quase incapaz de não se emocionar com sua personagem. Se ela não tivesse ganho, Julia Roberts merecia levar por seu extraordinário papel em Álbum de Família.


Melhor Roteiro Original: Ela

Dos cinco indicados, era o mais criativo. Além dos incríveis diálogos, a mensagem do longa de Spike Jonze é imprescindível para a sociedade atual. Muito justo.

Melhor Roteiro Adaptado: 12 Anos de Escravidão

Aqui, a disputa estava mais entre o vencedor e O Lobo de Wall Street. Ambos eram merecedores, mas o filme de Martin Scorsese teve um demérito por conta da polêmica da qual foi acusado de fazer apologia a drogas.


Melhor Filme Estrangeiro: A Grande Beleza

Não consegui ver nenhum dos indicados, mas foi unânime o mérito do italiano ter levado o prêmio.


Melhor Trilha Sonora: Steven Price, Gravidade

Impossível não se encantar pela trilha de Price. É um dos pontos altos de Gravidade. Merecidíssimo de novo. Se fosse para dar para outro, Ela era o segundo maior merecido.


Melhor Canção Original: “Let it Go", de Frozen

A animação da Disney encantou com sua fórmula eterna de fazer animações, mas eu teria dado o prêmio a The Moon Song, do longa Ela, que traz uma sensibilidade incrível ao filme.


Melhores efeitos especiais e fotografia: Gravidade

Acho que a gafe de uma repórter inglesa que perguntou em uma première do filme, em Londres, para Cuarón como foi ter filmado no espaço sideral é a melhor resposta em afirmar o quão impressionante é a fotografia e efeitos especiais da película. É tão inacreditável, que realmente parece ser real. É revolucionário. Nada mais justo o prêmio.


Mixagem de som e edição de som: Gravidade
Mais uma vez o prêmio não poderia ter sido para outro filme, Gravidade mescla o absoluto silêncio com uma trilha arrasadora e faz uma oscila entre o perturbador infinito e o caos do desastre ali presente. É impressionante realmente.


Figurino e direção de arte: O Grande Gatsby

Por mais que fracasse no roteiro, é impossível não dar os devidos méritos ao longa de Baz Luhrmann em seus quesitos técnicos. A direção de arte é magnífica e de extremo bom gosto, com uma sofisticação impressionante. A meticulosidade dos detalhes surpreende, assim como o rico figurino.


Melhor edição: Gravidade

Em um filme com poucos atores e poucos elementos para trabalhar, o novo de Cuarón sabe exatamente alinhar sua edição para deixar Gravidade o mais dinâmico possível. A edição soube exatamente dar à película as cenas que mereciam estar lá e perfeitamente encaixadas em seu timing.


Melhor documentário: A Um Passo do Estrelato

Ainda não vi.


Melhor Animação: Frozen

Não consegui ver a tempo.


Melhor Cabelo de Maquiagem: Clube de Compras Dallas

Mas não tinha a menor dúvida que o longa de Jean-Marc Vallée levaria este quesito. Os outros dois eram risíveis e a disputa chegou a ser injusta.

2 comentários:

  1. Concordo totalmente com você Lucas, principalmente quanto ao Barkhad Abi merecer o prêmio (embora eu goste muito do trabalho do Jared Leto como ator) e quanto a melhor trilha sonora, que pra mim se ficasse com "Ela" eu também não acharia nada ruim. Aliás, estou ouvindo há dias sem cansar rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha O trabalho do Jared Leto foi muito bom, mas do Barkhad Abi é impressionante. Eu fiquei muito apreensivo quando assisti Capitão Phillips por conta dele. Ele, apesar de aparentar ser muito frágil, passa uma sensação terrível de ameaça. Já a trilha sonora de Her é encantadora, muito depressiva e perigosamente viciante... haha

      Excluir

(Comentários de baixo calão serão moderados e excluídos)