Procure uma crítica

9.1.13

Crítica: Vicky Cristina Barcelona


VICKY CRISTINA BARCELONA
Vicky Cristina Barcelona 

Espanha / EUA, 2008 - 96 min.
Comédia / Romance

Direção: 
Woody Allen

Roteiro: 
Woody Allen

Elenco: 
Rebecca Hall, Scarlett Johansson, Penélope Cruz, Javier Bardem, Christopher Evan Welch, Chris Messina, Patricia Clarkson, Kevin Dunn, Julio Perillán e Josep Maria Domènech


Woody Allen é um diretor que vive intensamente por todos os lugares que passa e aparentemente assim, decide usar como cenário cada um destes cantos e Vicky Cristina Barcelona se esbalda com uma carismática, contagiante e prazerosa fotografia.

Logo de inicio somos apresentados as protagonistas do titulo, as americanas Vicky (vivida por Rebecca Hall) e Cristina (Scarlett Johansson) chegando em Barcelona para passar um verão. Na mesma noite de chegada em que saem pra jantar, conhecem o galanteador e artista Juan (Javier Bardem) que logo de cara faz um convite pra lá de audacioso, que apesar de insano, é aceito com certa relutação. A partir daí, um convite de conhecer novos horizontes para Cristina será aberto, mas um mundo de dúvidas dominará o de Vicky.

Contar histórias fofas sobre amor qualquer comédia romântica faz, Allen mostra aqui que muito longe de rótulos, perfeição ou sobretudo uma química exata, o amor é tão indecifrável e único que mesmo dentro de um relacionamento, do mesmo relacionamento, as sintonias podem ser diferentes e tudo o que era planejado pode ser desfeito a qualquer instante pelo simples fato de sentir que, apesar de tudo estar aparentemente andando bem, há sempre o sentimento que nada está completo. O sentimento de que o tempo passa e não podemos desperdiça-lo. Mas será tão fácil assim?

Em situações fabulosas, o longa nos remete a uma viagem além dos pontos turísticos da Espanha, mas a maravilhosos lugares escondidos em cada canto do país de uma beleza sem fim. Seja extremamente cativante por sua simplicidade ou pela sensação de muito bem estar que os atores parecem estar a todo instante em relação aos seus respectivos papeis, aliado a uma maravilhosa trilha sonora, Vicky Cristina Barcelona é uma desconsolidação de rótulos da sociedade ou até mesmo morais que claramente são desenvolvidos em desejos reprimidos pelo próprio diretor, junto de elementos artísticos irrepreensíveis (com exceção a exagerada narração). Afinal, qual homem no mundo não gostaria de ter Scarlett Johansson e Penélope Cruz como suas esposas, ao mesmo tempo? Mas se não for seu caso, a vontade quase insuportável de tomar vinho após o longa atingirá homem ou mulher. 

Nota: 9,3/10


Nenhum comentário:

Postar um comentário

(Comentários de baixo calão serão moderados e excluídos)